quarta-feira, 24 de maio de 2017

Verdadeiro Amor

É só o relógio e um silêncio sepulcral
Não amedronta, e não causa reflexão
Não aos meus sentidos, não é banal
Difere de tudo, olhar em concentração

Entre o escuro e o claro, o sonho raro
Caro, tão claro, o que veio, o que ficou?
Afinal voltaremos ao pó, somos barro
Criaturas imperfeitas, Deus que criou

Ser Perfeito, criação perfeita, era assim
Mas o anjo, de asas caídas, por maldade
Não deixou a criatura perfeita até o fim
Por amor ao homem, e por Sua vontade

Mandou Jesus, para, por essa Terra andar
Pregou o amor aos quatro cantos, bondade
Paz,  por onde quer que viesse a passar
Era rico e ainda assim, teve humildade

É o Filho, e morreu por mim, e por aqueles
Que o escolherem como Salvador, Cristo
Batizado por João, o qual veio antes Dele
Há uma morada no céu, e com Ele, persisto

Mesmo diante das tristezas desse mundo
Do pranto, da fome do irmão, do desamor
Eis o amor de Jesus, verdadeiro e profundo
Que alimenta toda alma, e alivia toda dor.

Meri Viero