domingo, 7 de maio de 2017

Sincronização...

Do pensamento, do tempo passando lento
Relento relendo todas as folhas expostas
Orvalho embriagado de desejo, desatento
Jogando alto, e perdendo mais uma aposta

Sincronização

Das mãos no papel, virtualizando as notas
Cotas para um amor que medra, sem medo
Enfrenta, tempestades, mudanças de rotas
Guardando  fielmente, mais  esse segredo

Sincronização

De corações que passam por vales e sombras
Caminhos tortuosos, pedras brutas, injustas
Esperando serem lapidadas, e restos, sobras
De uma luz, que ao olhar se faz assim, tão justa.

Meri Viero