terça-feira, 23 de maio de 2017

Serenizar

Ah! Esse beber apressado embriaga o ser
E a alma tonta, entoa o cântico do sofrer
Se fechado tivesse, esse olhar ansioso...
Por certo veria um dia mais glorioso

Mas rompem-se palavras doidivanas 
E é tanta dor que desse coração emana
Que cega, e escuridão é breu intransponível
No qual claridade ofusca de forma incrível

Mas a embriagues não deixa ver o brilho
Ébria, cambaleia, e quase sai dos trilhos
Até que volta a razão, acalma o coração
Olhar serena, respira e transpira inspiração.

Meri Viero