quinta-feira, 18 de maio de 2017

E o verso...

E o verso teu, se escondeu do meu
Numa tarde de chuva, e a saudade
Virou palavras, e o coração escreveu
Omitiu teu nome, escancarou felicidade

Lembrou de ti, em cada hora assim...
Barulho de temporal, chuva na vidraça
E o sorriso vai brotando em mim
E a poesia vem e me abraça

Enlaça nossas almas em aquarelas
E a areia na ampulheta, caindo devagar...
O tempo nas mãos, no lento caminhar
Olhar no céu, anjos; no chão, flores belas.

Meri Viero