sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

RITMO DA CHUVA

Tem barulho lá fora, caindo do telhado ao chão
Tem saudade aqui dentro, machucando coração
Mas que  ficou todo acarinhado, pela inspiração
Aquarelada do outro lado nessa mesma estação

Aqui, versos já esperam pelo outono; adormecer
De folhas; não das linhas, presentes ao escrever
Pro amor guardado no peito, doçura pra saborear
Cada novo grafite que a alma faz, ao aformosear

Esse sentir tão bonito, escrito com o verbo amar
Tu me amas, nós nos amamos, e  nesse versejar
Tempo passando, a chuva aumentando tamborilar
E a matéria presa, querendo mais uma vez, voar.

Meri Viero