segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

(In) coerências

Carências, crenças, dependências
É a fala sozinha, calando o verbo
Se é matemática ou ainda ciência
Em arte me perco rimando avesso

Remando, essas ondas,  me levam
Imaginário ou  real,  poesia canta
Quando  os  poetas, se  expressam
E a triste amargura então espanta

Leva para longe, e traz  felicidade
E o tempo circula devagar pelo ar
Tiquetaqueando  não mostra idade
Enquanto vida passa a te indagar.

Meri Viero