quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

PARALELEPÍPEDO


Um mosaico pisado por tantos seres
Passa os passos na tarde amena
Passa a borracha rodando, fere
Pegadas do tempo que se apequena

Para cada pedra um peso das mãos
Trabalha dor, sangrando o chão
Trabalhador levando o coração
Compõe magistralmente, imperfeição

Paralelepípedos, combinam com a casa
Que abrigou histórias, décadas
Libertas em abençoadas asas
Que pousaram numa flor delicada.

Meri Viero