quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

BORBOLETAS


Asas emprestei e convido, voe comigo
Seja mais uma vez, o amor e o amigo
O reverdecer emprestará a cor alegre
Então ao pedido, peço, não o negue

Poete com a leveza de borboletas
Enfeite a noite com o brilho da lua
E das estrelas, seja o inspirado poeta
Apaixonado por versos, com alma nua

E essa tempestade então se afastará
Ainda que seja por um tempo, breve
O vento virá e tudo finalmente, passará
Então que asas das borboletas nos levem.

Meri Viero