quarta-feira, 2 de novembro de 2016

TATUAGEM

Os verdes olhos, ficaram vermelhos,
De tristeza, se puseram a desaguar;
E essa solidão do fitar-se no espelho,
É uma dor que tempo não pode curar...

A verdade, ainda que queira, refutar,
É visível marca na alma e nas linhas;
Tatuagem linda que não posso apagar,
Pois em minha pele sempre se aninha...

E nas horas do dia, levo pra todo lugar,
Bem, que faz bem, não se pode negar;
Às vezes salta do peito, vira uns versos,
Acalma coração, feito silêncio do universo.

Meri Viero