quinta-feira, 17 de novembro de 2016

E a vida tem o amargor do café
Para cada dia de luta, a fé
Na rima previsível, todo o valor
Mesmo em horas de dor ou amor

A vida tem predominância do azul
Ciclone observado com zelo, nesse sul
Mas não há vento, e nem palavras tuas
Seguimos com nossos passos na rua

Caminhos se encontram, se esbarram
Fingem indiferença em laços que amarram
Unem corações em distantes universos
Tecem preces caladas, gritantes em versos.

Meri Viero