segunda-feira, 28 de novembro de 2016

CARREGANDO...

E as mãos desenharam palavras
Que se esconderam de olhares curiosos
Guardou como verdadeiros tesouros 
Cada preciosidade de sua lavra

E os momentos tão saudosos
Testemunhados pelo tempo de outrora
Foram tão valiosos, quanto ouro
E resplandeceram a cada nova aurora

Feito formiga carregadeira, foi juntando
E toda semente, então foi germinando
E a cada nova estação, um mesmo coração
Belo, forte, e repleto de abençoada inspiração.

Meri Viero