terça-feira, 25 de outubro de 2016

Ensurdecedor

Esse silêncio ensurdecedor, provocante
Mexe com os sentidos, instigante
Desorienta, torna ébrio, os passos
E ainda subo sem medo no cadafalso

Acho que coragem é uma covardia
Vai virando rima nessa poesia
E cambaleante não vejo, e tropeço
Nas letras que não somente eu, teço

Peço um pouquinho de paciência
Ternura, para que essa carência
Cesse, passe, me esqueça
Mas quando puder, apareça...

Meri Viero