terça-feira, 9 de agosto de 2016

SILÊNCIO...

Que faz doer essa alma ainda infante
E mesmo que pequena, se faz gigante
Cada vez que se quebra, e vira arte
Me carrega em teus braços, e me farte...

Com os versos mais bonitos de tuas mãos
Conjuga todos os verbos num só coração
Refaz a história, compõe as memórias
Que um dia brilharão, serão glórias

Expostas em linhas, bordados de ouro
Um canto nobre, um grande tesouro
Um brilho forte na escuridão do mundo
Assim o silêncio durará só um segundo.

Meri Viero