quarta-feira, 17 de agosto de 2016

NOITE DE TEMPESTADE

E a tempestade cai na terra
E esse coração pranteia
O amor que não se enterra
Nem é preso em uma teia

Que venham os ventos
Assustem esse meu ser
Ainda assim permanecerá, atento
Na escuridão que irá desaparecer

Quando o dia trazer esperança
Trazer a calmaria e a poesia
Equilibrar tudo na balança
Vai parar de doer, amor não cansa...

Empresta braços, sorrisos, alegria
Hoje a tempestade cai, inunda
Amanhã pintará o céu da poesia
Pois amor é amor, não confunda...

Com obsessão, depressão, sofreguidão
É calmaria, é paz, ainda que amar
Signifique sofrer, também é canção...
De uma nota só, de um só voar.

Meri Viero