quinta-feira, 18 de agosto de 2016

NÃO LIGO...

A televisão para ver a mesma programação
O computador quando não vem a inspiração
Para a chuva caindo, molhando meu calçado
Calçada se enchendo de poça por todo lado

Se o dinheiro está curto, curto a vida igual
E tudo  bem, se for, do imaginário  ao real
Se o ônibus estiver atrasado, espero, calma
Sou passageira da vida, também essa alma

Se tudo der errado, se houver a sinceridade
Ontem, hoje e sempre, é a  minha  verdade
Ligo para a tua verdade, para  tua felicidade
Para dor da saudade, que invade essa tarde.

Meri Viero