terça-feira, 23 de agosto de 2016

LAÇOS DE SAUDADE

Tem dias que de saudade se  reveste  versos
Sem querer, se entristecem, e  ficam quietos
Não disfarçam, se enlaçam em nós da poesia
E ainda assim, nos levam, pelas horas do dia

Buscam, bem sabem o quê, e falam por mim
E não por você, que insiste em trocar um sim
Por inspirações amargas, e amargo, é o mate
Que sozinho se bebe, vem, se  puder, desate

Mas não desacate o sentir que aqui se alinha
Em palavras, versos, vírgulas  então caminha
Mas sem final, amor, não é uma mera poesia
É tatuagem no peito, e dor de uma vida vazia.

Meri Viero