terça-feira, 2 de agosto de 2016

BEIJOS E TELEGRAMAS

Te acalma alma, deixa o tempo passar assim,
Não se assuste  com os raios que não caíram;
Não  antecipe  o meio, e tampouco o  fim...
Esqueça temores  que porta à fora já saíram.

Esqueça as dores, estão calcificados os cristais,
Prometeram brilhar em outros tantos quintais;
Mas aqui não vão  mais aguar, sorriso  no rosto,
Aperto no peito, mais nada, e nada de desgosto.

Sê forte, revista-se de folha, esmeralda, de grama,
Mas não reclama, a  vida é  feita de sol, e de garoa;
De primaveras, invernos, flores, beijos e telegramas.
A vida que te empurra, às vezes é fera, outras, tão boa.

Meri Viero