domingo, 1 de maio de 2016

LIGAÇÕES

É pouco, é pó que se desprende
Na rede do tempo que cerca
A vida da gente, pende
Feito pêndulo e acerta
O que desconcerta
Relógio parado
Céu cheio de nuvens
Rosa com espinhos
Um colibri machucado
Águas que turvem
Pássaros sem ninhos
Tudo parecendo errado
Desarmônicos sentidos
Vento que não chega
Flor que não desabrocha
Outono que não passa
Inverno antes da hora
Frio
Da madrugada
Do dia
Da noite
Que arrepia
A pele
O pelo
Ele
E elo.

Meri Viero