quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

SOBREVIVENTE


E a música veio na hora certa
Como calmante para mente agitada
De repente os versos se perderam
As rimas adormeceram
Foi o vento da tarde
Esparramou as palavras
Voaram
Criaram asas
Ou feito borboletas
Pousaram em outro jardim
Coloridas asas
Esqueceram de mim
Sou sobrevivente
Como náufrago 
Deixando-se levar
Pelas ondas dos sons
Do mar
Águas cristalinas
Vou bebendo
Esquecendo
Enquanto o coração
Pulsa devagar
Encontrando razão
Para existir
Não desistir.

Meri Viero