terça-feira, 19 de janeiro de 2016

SILÊNCIO, SOMBRAS E SOBRAS

Se o silêncio imperar, me diz como vai ser...
Se de menos faz mal, se muito só faz doer
Foi pelo desejo insano, que o beijo roubou
E até a Estrela no céu, essa noite não brilhou

Escapuliu, criou asas e de repente voou
Foi ser borboleta em outro jardim, pousou
Ai de mim, solidão foi tudo que restou
Virei verso avesso e assim, nada sobrou

Se havia Três Marias, uma se ausentou
Foi brilhar em outra Via Láctea, tão bela
Foi ser borboleta, colorir outra janela
Ou será que se arrependeu e voltou?

Se o silêncio imperar vou cambalear assim
Arrastar os meus pés por entre as sombras
As luzes noturnas levarão quase tudo, o fim
E viverei, reclusa entre minhas sobras.

Meri Viero