segunda-feira, 9 de novembro de 2015

MARIANA CHORA

Foi pras bandas das Gerais que Mariana chorou,
Pois sem querer os seus entes queridos sepultou;
Não era terra bem-vinda, era lama corrompida,
Que barragens não suportaram, ceifaram vidas...

De quem crescia inocente, dormiu, era ainda dia,
Os anjos vieram fazer companhia, quando passou;
O mar marrom, tristeza imperou, desolação restou,
Escombros de histórias, enterradas, pura covardia...

Digno de um palavrão, pois essa dor no coração,
É tão grande, chora Mariana, agoniza amargurada;
Sofre até o cão, sem água, sem pão, dor desalmada,
Injusta ação, levou quase tudo, deixou quase nada...

Meri Viero