quarta-feira, 15 de julho de 2015

UM BRINDE AO SILÊNCIO

A palavra que tua boca não pronuncia,
É silêncio que sorvo assim, sem querer;
Nessa certeza que vem e aqui anuncia,
A vida, justa ou injusta, está a vencer...

Brindemos então ao teu silêncio, rapaz,
E que os versos brotem de suas mãos;
Pois somente dessa forma, será capaz,
De diminuir toda essa tristeza no coração...

E que faz gemer essa alma, em poemas,
Na tentativa de curar essas dores tantas;
Que finge não ver, esses meus dilemas,
Versos tristes, canto que já não te encanta...

Meri Viero