quinta-feira, 30 de julho de 2015

O PRIMEIRO CANTO DO SABIÁ

 Hoje, um pouco antes do sol se pôr, enquanto limpava o jardim, pude ouvir o primeiro canto do sabiá, ainda é inverno, e me surpreendi com esse cantar tão especial, que tanto me lembra a primavera, foi como um presente, depois de dias frios e cinzentos, a semana tem sido de muito sol, e até as flores parecem querer antecipar o ciclo, as azáleas estão cheias de botões, a magnólia está exuberante, até a cerejeira esbanja esperança, toda coberta de verde, mas minhas rosas, um pouco descuidadas, hoje foram podadas, fora de época, espero que não sintam tanto, e voltem a ofertar o colorido de sempre.

  Feliz mesmo fiquei, ao ver minhas orquídeas, que plantei no ano passado, em nós de pinho, começam a se encher de botões, pareço criança, a cada novo botão, solto um grito de alegria, mas também de agradecimento à mãe natureza, que tem sido tão generosa, e olha, que sei que faço tão pouco.

  O sol prometeu ficar por mais uns dias, se ouvirei o sabiá outra vez, antes da primavera, não sei, mas essa tarde, acompanhada de um pôr de sol maravilhoso, vai permanecer gravado, para que me lembre, que dias assim, sempre existirão, e que as chuvas são bençãos, água abençoada para matar a sede de todo ser vivo, sem o ciclo que o Criador, sabiamente deixou, não haveria vida, colorido, nem flores, nem semente e nem pão.

Meri Viero