segunda-feira, 6 de julho de 2015

CHÁ DE CIDREIRA

Tem horas que a paciência precisa de chá...
De camomila, de cidreira, chá de espera,
É a impaciência que faz querer tudo pra já;
Que torna a senhora hora, uma cruel fera.

Acredito que nem tudo está em nossas mãos,
Certos acontecimentos virão, querendo ou não;
Quem dera fosse apenas os melhores, só alegria,
E a alma então docemente, sempre, poetaria.

Sem ilusões, sem esperas que consomem o ser,
Repleto de certeza, da realidade colorindo a vida;
Trazendo o toque, o verbo, e um novo amanhecer,
E toda essa esperança que a cada dia nos convida...

Para tomarmos um chá, e partilharmos poemas,
Que falam sobre os sentimentos e infinitos temas;
Que aproximam almas ainda infantes e poéticas,
Que versam sobre tudo, sobre nada, e tão ecléticas.

Meri Viero