terça-feira, 30 de junho de 2015

VAZIA CONSOLAÇÃO

Momentos de cada um, tem risos, lágrimas,
Como os poemas tecidos, alegres ou tristes;
Adornados com belas palavras em cada rima,
Mas guardando no coração a dor que existe.

Instantes, passados em silêncio, na solidão,
Ou então acompanhados por uns estranhos;
Em tantas faces e bocas, vazia consolação,
Fim das contas, são mais perdas que ganhos.

Nesse instante de uma ligeira aflição, o ser,
Descobre enfim, que não está só, que a vida;
É feita de não, sim, mas sabe a mão estender,
Basta querer, que o amor sempre será a saída. 

Meri Viero