quarta-feira, 13 de maio de 2015

CIRCUNSTÂNCIAS

Minhas desculpas são tão reais...
Então me deixa aqui, com meus ais;
Não quero nem saber os motivos teus,
Devem ser bem diferentes dos meus.

E nessa somatória, as nossas teorias,
Guardadas no portfólio da memória;
Folheadas, são tão iguais, que cedo,
Ou tarde, se encontram sem segredo.

E nessa filosofia, a história se esbarra,
Se enterra, escombros de velhas amarras;
Face fechada, depois de compor a poesia,
Até que noite venha, outra vez, beijar o dia...

Meri Viero