quarta-feira, 11 de março de 2015

SER EM CONSTRUÇÃO

Quando o silêncio devora externamente,
Grito palavras e impropérios por dentro;
E exponho no verso que voa livremente,
E esse  instante com  coragem enfrento...

Adorno o espaço com sons e nossa poesia,
A poesia  de cada dia, que  adoça a alma;
Retira amargor diário que recai sobre o dia,
Que vem inquieto demais, tira essa calma...

E silencio poeticamente  versando o ponto,
Que conta e aumenta o conto, uma loucura;
Que leva o  nome de poesia, a  minha cura,
Única, para esse ser que nunca está pronto...

Meri Viero