sexta-feira, 6 de março de 2015

SERENIDADE


Coração sereno é assim quando guarda...
Os sonhos numa caixinha de música doce,
Envoltos em notas  belas  e  perfumadas;
Que de longe o vento gentilmente trouxe.

Quando a alma se aquieta sem o pranto,
Escolhe ouvir a canção livre dos pássaros;
E vê beleza até na tempestade, um canto,
De cores e sons, um concerto quase raro.

Serenidade que os meus versos aqui poetam,
Preguiçosamente na manhã fresca de março;
E as flores, perfumes, bondosamente ofertam,
Na vida que chega suave, leve passo, um traço.

Meri Viero