quarta-feira, 12 de novembro de 2014

O JASMIM E A NEVE



                                                                                      
De um galho tão  pequeno
Um copo d'água e cuidados
Fez nele sair raízes, lembro
Depois de um tempo, plantado
Em frente a janela do quarto
Uma redoma, para deixá-lo seguro
Nada de grama ou ervas daninhas
E ele foi crescendo, aparecendo
Ano passado veio a neve, tive medo
Achei que por ser ainda frágil, morreria
A neve derreteu, as folhas amarelaram, caíram
Somente dois botões se abriram
Mas permanecemos, nós dois, esperançosos
Como se seguíssemos com a mesma coragem
Esse ano, de folhas reverdeceu e para grata surpresa
De lindos botões se encheu, brancos, como a neve
E como um dia sonhado, seu perfume ofertou
Pela janela do quarto, na sala adentrou
Pequeno ainda, mas de um futuro glorioso
Logo os anos o farão mais forte, mais garboso...
Uma história real, um jasmim, a neve e a poesia.


Meri Viero