domingo, 21 de setembro de 2014

UM MINUTO APENAS...

Silêncio, por favor, um minuto apenas,
Para que se ouça o som calmo ao longe;
Um minuto, contagem deveras pequena,
O tempo é veloz, e das mãos ele foge.

Mas é precioso esse instante, passageiro,
Motorista, cobrador do momento certo;
Pra descer na estação que te levará perto,
Onde a vida começará no breve janeiro.

Silêncio, temido as vezes, mas precioso,
Aquiete os sons, aflores todos os sentidos;
E não deixe que passe quase despercebido,
Aquele som ao longe, leve e maravilhoso.

Meri Viero