quinta-feira, 11 de setembro de 2014

DEUS CUIDA DE SEUS FILHOS

  Meu pai tem uma chácara bem perto aqui da cidade de Guarapuava, nela tem umas ovelhas, e nessa época muitos filhotes já nasceram, mas sempre há os que ficam por último, sábado passado, num lugar improvável, percebeu que havia algo diferente, chegando no lugar viu que tinha nascido mais uma ovelhinha, como o terreno era ruim, onde havia nascido, permanecia, de uma forma que não tinha conseguido levantar, e a cria em seguida do nascimento, precisa se movimentar, essa, se meu pai não tivesse chegado logo, com certeza não teria sobrevivido, quando nascem é preciso que o animal quase não seja tocado, para que a mãe não o enjeite, mas ele sabia que tinha que tirar ela dali, pois morreria, então de uma forma ou outra, tentaria salvá-la, pegou-a nos braços, e andando um pouco e parando, depositava no chão para que a mãe chegando perto, reconhecesse sua cria, e assim foram, até que chegaram num lugar seguro, quando o filhote nasce normalmente fica apartado dos demais, até que fique mais fortinho.

  Então tudo normal, até que a três dias atrás, na hora do almoço, meu pai ouviu a ovelha berrando, sabia que havia acontecido algo, imaginou que a cria talvez tivesse caído no tanque de peixes, e com certeza até que chegasse perto já estaria morta, mas quando chegou percebeu que a ovelhinha tinha conseguido um feito, se enroscado num arame farpado, de uma forma que um dos grampos tinha entrado na junta de uma das perninhas, meu pai com força conseguiu tirar ela, e por dois dias se manteve meio amuada, devido ao ferimento, ao ser tão jovem ainda, e por duas vezes, tinha sido salva.

  Hoje como faz todas as manhãs, solta os carneiros pra que vão pastar num lugar onde o pasto é mais farto, mais verde, como a ovelhinha estava espertinha, decidiu que soltaria com os demais, assim ela seguiu a mãe na passagem que leva até o pasto, onde é preciso passar por duas porteiras, num corredor longo e arborizado, nesse caminho em que praticamente já havia passado todo o bando, a mesma ovelhinha debandou correndo, voltando ao lugar onde aparentemente era mais seguro, meu pai riu, porque não entendeu, como o animal tomara aquela iniciativa, normalmente seguem as mães, é o instinto natural de sobrevivência, a ovelha mãe vendo que a cria voltara, vai buscá-la, e com a ajuda de meu pai conseguem fazer com que a ovelhinha siga a mãe, e vão para um pasto melhor.

  Parece só uma história, um animal irracional sobrevivendo, talvez fosse as lembranças dela, por saber que lá é o lugar que poderia ter sido sua morte, isso se animais tem lembranças, mas tudo isso trouxe reflexões, por vezes a vida nos oferece perigos, mas por certo se entregarmos nossa vida a Deus, por ser um Pai amoroso, sempre cuidará de nós, de alguma forma, nos ajudando a sobreviver, a encarar os problemas, a lutar, a desbravar novos caminhos, e mesmo quando o medo vier, pois a maldade no mundo existe, estará nos encorajando, colocando anjos para nos buscar, quando não, estendendo as próprias mãos para nos livrar do perigo e nos incentivar para seguirmos em frente.

Meri Viero