quarta-feira, 24 de setembro de 2014

BARULHO DA CHUVA

Tem dias que o barulho da chuva, é música,
Vem como bálsamo aliviar todas as dores;
Mistura-se ao som dos pássaros cantores,
E adormecem as palavras em forma rústica.

Que teimavam acordar tão deselegantes,
E a vida, que seja por um breve momento;
Recebe paz abençoada e até o pensamento,
Se aquieta e presta atenção a esse instante.

Talvez a chuva perdure, talvez a paz continue,
Talvez se percam nas horas intermináveis do dia;
Talvez venham pra acalmar a alma, virar só poesia,
E talvez permaneçam, se solidifiquem, e  curem.

Meri Viero