quarta-feira, 13 de agosto de 2014

UM POETA ETERNIZA-SE EM POESIA

Um poeta não parte, eterniza-se em poesia,
Em rimas espalhadas pelo vento em alegria;
E  lágrimas são belos cristais em harmonia,
Ao agradecer o tempo que dividiu sabedoria.

Poeta é estrela brilhante no céu da fantasia,
É água da chuva refrescando tarde quente;
Um coração belo em alma tão transparente,
Sobre a tristeza uma vitória sem demagogia.

Cavalgar num cavalo selvagem com valentia,
É saciar a sede com humildade e serventia;
É esparramar a vida e o amor com maestria,
Ofertar versos como uma saborosa iguaria.

Quando parte deixa saudade gravada em rimas,
Seu nome real, pseudônimo como uma joia fina;
Pois quando chega a hora a vida fecha a cortina,
Mas acende para sempre a luz de uma lamparina.

Meri Viero