quinta-feira, 31 de julho de 2014

CÉU E MEL

Vou adoçar tua boca com mel,
Tirar dela gosto amargo do fel;
Fui fiel em meus versos azedos,
Desculpas sinceras e segredos...

As vezes a barraca é chutada,
E a água do balde bem gelada;
A vida deixa de ser só poética,
E é versada em nova dialética...

Volto ao doce mel e azul do céu,
Volto ao versar calmo no papel;
Volto e num caminho sem volta,
Solto a vida solta que me escolta.

Meri Viero