domingo, 29 de junho de 2014

SEM ESPINHOS

Vou guardar os anos com saudade,
Olhando nosso fruto abençoado;
Em meio a essa cinza tempestade,
Findando caminhos um dia trilhados...

Quisera a dor não invadisse o coração,
Quisera o amor fosse sempre a direção;
Quisera o tempo ser infinito, mas finito,
Hoje se faz vencido no desespero do grito...

Que vem da alma aflita e busca caminho,
Sem esquecer do passado e do carinho; 
Estradas opostas hoje sem mais espinhos,
Apenas flores perfumadas e um beijinho.

Meri Viero