sábado, 31 de maio de 2014

POEMINHA

O olhar, a lágrima turvou
E nessa angústia triste
Nem sei onde eu vou...
Mas o amor ainda resiste

E guia nessa escuridão
E passo pelo raio e trovão...
A tempestade se acalma
E há esperança para alma

Volta o azul no belo céu
Volta aos lábios a doçura
Desse dourado e real mel
Paz e fé renegam a procura

Absorvo e encontro a cura
Sigo acorrentada entre juras
Repinto as cores com bravura
Entre versos, reversos e agruras.

Meri Viero