sábado, 19 de abril de 2014

ROMPENDO A ESCURIDÃO

As cores só por hoje teimaram em se esconder,
E as dores sem querer tomaram conta do coração;
Ofuscaram a luz em temidas horas de escuridão,
E sucumbiram em tristeza e em grande sofrer.

E o jardim tão bonito por um tempo silenciou,
Até mesmo o sol não quis as folhas aquecer;
E o beija-flor se recusou a beijar a flor e voou,
E a menina não acreditou naquilo que podia ver.

Seus pés se recusaram a correr pela grama,
E lágrimas caíram aumentando aquele drama;
E as palavras faltaram e a poesia não se fez.
Até que a esperança brotou do chão outra vez...

Em forma de sementes que nasciam teimosas,
E o sol se fez forte e decidiu as nuvens romper;
E brilhou trazendo vida ao jardim de belas rosas,
Colorindo a vida em agradáveis horas de lazer.

Meri Viero