segunda-feira, 17 de março de 2014

TÃO GRANDE AMOR

O amor quando é tão grande não cabe no peito
E dói a dor  da saudade, dói  essa dor sem jeito
Em lágrimas teimosas que buscam  a companhia
Do nobre coração de poeta e de sua linda poesia

O amor quando é tão grande sofre o sofrer insano
Vive entre esperanças, espinhos e os desenganos
Não vê o tempo pretérito, presente  e nem futuro
Vive num  mundo a  parte contabilizando os juros

E juras de um sentimento verdadeiro e por inteiro
Ama na  imensidão  silenciosa da  noite estrelada
Derramado num chão  da brilhosa lua  enamorada
Pois o amor por ser tão grande, não segue roteiro

Não pode ser  encenado, nem  cimentado um dia
Mas espalhado em sementes renasce no coração
Reverdecendo a cada nova e abençoada estação
Dissipando as horas de outono,  noturnas e frias.

Meri Viero